terça-feira, 3 de setembro de 2013

Cronos

Re encontro...

O tempo tem seu momento!





Então, é assim, vários ponteiros em movimento movimentando os ciclos do universo infinito. Universo interior. Óbvio.
Esse ciclo de vida!
É um coração que aperta ao re encontro, é um saber distante.
Nada de ampulhetas, nem Dali com seu tempo.
Esse é meu tempo, o tempo dos meus.



Estive tão distante todo esse tempo, mas nada de coração vazio.
Se me construí, foi por ter tido tempo de ter comigo meus amigos.
Até agora, tudo apontava para o que somos hoje em um tempo tão distante.
Havia de escrever algo, um nome lançado na rede, uma foto, um olá é você, umas poucas palavras, um pouco de cada, e estamos de novo no tempo superando o vácuo.
Meu coração se aquece.



Há uma certa dose de "sei lá o que", justamente isto que todos sabem o que é o tempo todo, uma brincadeira do tempo.
Adoro.



Se disser que é saudades, vou dizer: Já se passou muito tempo. Se disser que nunca parti, vou dizer: As vezes eu tive que ir. Se eu disser que o elo não rompeu, vou dizer: O meu não.
Mas se o tempo disser, que não se deve brincar com o tempo, direi: Brinco o tempo todo.
E um livro me trouxe, muitos tempos, os presentes, os ausentes.



E Cronos era mais que o tempo, era uma entidade. Encarna o sentido do tempo da impermanência.
E o que permanece em meu coração são derrames desse tempo bom, daquilo que foi deixado em mim e  transformado por Cronos, um pedaço de vocês.




sexta-feira, 25 de maio de 2012

Em busca...da busca!

 My heart is asking...





    Ela nasceu antes de mim, nos tempos imemoriais, que culpa tenho eu se comigo está constantemente. Ela cai num sono fingido, diz que vai dormir e acorda para me lembrar que sempre houve um sentido, amar a criação...
     Estou ouvindo música, aprendi a ouvir. De alguma maneira as pessoas tornaram-se presentes em minha vida para me ensinar, ouvir, ver, sentir, saborear, perceber o prazer do tato, mergulhar na dimensão humana, ser um ser usando sua completude seus canais com o mundo.  Tudo isso resulta em algo maior...
       E, claro, depois vieram as ideias...estas sim, correm atrás de mim, fingem-se de mortas, muita gente falou: Mate-as, é assim que funciona; faça apenas o que te pedem; deixe para lá; o mundo é assim mesmo; conforme-se...
      Sofro do mal do inconformismo, tento ajustar meu corpo e mente aos instrumentos de tortura medievais. Mas dói demais. Não assumo a culpa sozinha, ao longo do tempo recebi presentes preciosos que vieram de encontro aos meus anseios, aí eles se encontraram...é deu nisso... Uma rebelde de "pequeninissimas" causas.




       Sentei-me ao sol, fiz uma lista, de pessoas, comecei pelo "sempre", depois do que pude me lembrar: imagem, nome e  o  que cada uma trouxe para mim...como ofertas da vida, sim pessoas são presentes da vida!   Ah! todos deviam fazer esse exercício, sem medo, sem mágoas, só alegria! Como cantou Piaf: "Tudo já está pago". Reconheço a dificuldade, o número é muito alto, muitas nem conheço pessoalmente, mas adotei o seguinte critério: que por qualquer meio que fosse tive algum tipo contato.
        E minha história se refez, na história outros. A cadeira balança ao sol, as vezes paro, tenho que olhar o céu, imensidão azul, falta um rosto, uma história, uma palavra ou um nome esquecido, mas jamais o espírito, a energia...anoto, registro.




         
        E a humanidade se fez em mim, cada qual que de alguma maneira que comigo estiveram, roubou uma chama do fogo da sabedoria, meus  caros "Prometheus", dando vida, dando saber. Claro! nem sempre da maneira mais fácil e indolor, para mim ou para eles. 




              E estou aqui , ainda a completar a mim mesma, nessa cadeira que balança sob o céu azul com nuvens que não são tão brancas. Percebo ao meu redor, meus "Prometheus" tentando se agarrar cada vez mais a superficialidade das coisas, esperando deslizar, sem arranhões, para serem poupados, desvinculados, alguns procurando a felicidade em pacotinhos, afinal, os tempos nos conduzem a isso. Ai, penso sob o sol: Eles deixaram-me tantas coisas valiosas, há tantas coisas valiosas! Tenho que fazer algo com elas? Sinto-me assim:




           Então, em Saramago "Ensaio Sobre a Cegueira", um personagem em meio a sua busca para sanar suas dúvidas sobre os acontecimentos, diz: "(...) Há mil razões para que o cérebro se feche(...)" e após o desenrolar de vários acontecimentos, alguém comenta "(...) que se antes de cada acto nosso nós pudéssemos prever todas as consequências dele, pensar nelas a sério, primeiro as imediatas, depois as prováveis, depois as possíveis, depois as imagináveis, não chegaríamos sequer a mover-nos de onde o primeiro pensamento nos tivesse feito parar. Os bons e os maus resultados dos nossos ditos e obras vão-se distribuindo, supõe-se que de uma forma bastante uniforme e equilibrada, por todos os dias do futuro, incluindo aqueles, infindáveis, em que já cá não estaremos para poder comprová-los, para congratular-nos ou pedir perdão, aliás, há quem diga que isso é a imortalidade de que tanto se fala(...)"
              Assim, entendo que cada um torna-se imortal no outro, naquilo que espalha, que espelha , que doa ou retira...porquê tudo passa-se a frente, passa-se um pouco, adapta-se, CRIA-SE e aí, infinitamente estaremos unidos sempre e sempre meus amigos...e isto para mim significa carinho...




quinta-feira, 19 de janeiro de 2012

O meu sonho acaba tarde, deixa a alma de vigia... (Madredeus)




Ai que ninguém lembra, o que já sonhou...
(Madredeus)


Voltei para lembrar o que sonhei, e principalmente o que você sonhou, lembra?? Pausa.Uma frase retirada de uma música, para dar aos amigos...lindos
Silêncio!... sonho e mar, dois presentes para dar.
Impossível não ser acariciada por tão belas notas...escolhi como passagem para a minha volta... Tão certa como as ondas, ir e voltar ...
E serenamente volto ao meu eublog, tão suavemente quanto fui.
E fui ao mar, vê-lo de mais perto do que o vejo todos os dias, na calma que parece infinita, só parece...
Em breve agitará meu coração com as mais difíceis perguntas, as ressacas passadas ainda deixarão o gosto amargo, e sempre, e com toda certeza, irão se desfazer na espuma...
Sou eu voltando de um descanso, de um convívio de mim...de sentir o que se quer e fazer...sem dono...
Nenhum espírito mais me cansa, não deixo, submergi todos nas valas profundas do círculo de fogo que aquece e movimenta a terra.
Só me comunico com o mar, só tenho tempo para escutá-lo...
Meus estados minhas cores, são assim tão parecidas com ele, e me sinto tão profunda como ele.
Sou habitável, sou isolada e desértica...
Deixo o sal, provoco o bem e o mal, conforme o coração que me olhar...
Minha almar, é tão forte, mas tão forte, que somente restará ela...no fim de tudo, no fim de mim.


Olá! amigos, dou esta música que não é minha, mas que de tão linda tive que presentear...

sexta-feira, 7 de outubro de 2011

O assunto é a ideia!!!!!

O mundo é das ideias!!!!


 Parece que esta história é antiga, dizem que começou pela roda, daí tudo mudou...outros afirmam que a escrita revolucionou o pensamento e a comunicação, caminhamos ora em passos largos, ora em passos muito curtos.

                                                                Obra de Glória Friedemann


Há uma diferença entre ideia e tecnologia, não vou entrar no mérito desta questão, já que nunca tivemos tanta tecnologia, tão diversificada em tão pouco tempo.
O Construtivismo Russo, já dava sinais há um século, sobre uma conexão entre arte e tecnologia, vanguarda da mais pura, fundamentada em ideias...Bom quase todos os movimentos de vanguardas também eram expressos no campo das ideias e por isso produziam e ainda produzem tanto impacto.
Ideia é impacto


                                                                                              Vladimir Tatlin


Já não escrevo há algum tempo, estava sem ideias  ou com muitas ideias! Não, eram apenas pensamentos, opiniões reflexões..
Sinto mesmo, uma falta de ideias, há um grande vazio!
Claro, não quero ignorar aqueles que produzem conhecimento, dedicam-se em tempo integral a essa busca, de fato trazem luz aos nossos pensamentos. Infelizmente há os que  "valorizam-se" demais, clamando ao mundo seu espaço pelo esforço de terem lido meia dúzia de livros e sentindo-se injustiçados por não estarem onde imaginam que  deveriam estar, é ingenuo e triste...ou aqueles que grudam como carrapatos, sugam engordam parasitariamente...


Narciso de Caravaggio

Então, o mundo das ideias vai sendo ocupado, pela superficialidade, pela quantidade de mensagens, pela falta de interesse, pela dor de pensar, o individualismo mórbido... narcísico.
E o desprezo, sim, o desprezo!!!

O que há de errado? Estamos "medievalmente" silenciosos...


Dizia Chico Buarque " Esse silencio todo me  atordoa, atordoado permaneço atento..."
Muitas, muitas mensagens, mas onde estão as idéias que fazem o homem pensar o mundo?
É meu alento, encontrar amigos virtuais que ainda sentem, buscam conversam, trocam propõe e chamam...dedicam-se. Blogs são melhores que redes sociais...

Hélio Oiticica

Ideia, ideia, ideia...
Poderia ter uma Deusa Grega, protetora das ideias...

 Cildo Meireles 

O escritor Neal Gabler,  publicou um artigo no "New York Times, que me deixou intrigada, referindo-se a ausência de grandes ideias no cenário contemporâneo. Em entrevista a Lúcia Guimarães explica que:

 " O mundo pós-iluminista é sobre como nós pensamos. (...) no mundo pós-ideia, nós não estamos pensando.(...) a falta de grandes ideias, se deve a uma cultura cada vez mais visual ( "uma imagem fala mais que mil palavras! "- vide o quanto fazemos uso de ícones - meu acréscimo) as grandes idéias não se prestam a representação visual. Elas se afirmam em textos.(...) Pensem num Sigmund Freud, Albert Eistein, Karl Marx, Marshall Macluhan, Betty Friedan. As pessoas que mudaram nossa maneira de pensar o mundo; Este é um processo de arquitetura mental (...) quando você é uma cultura e opera em termos de rede sociais e twittes e diálogos de 140 caracteres, isto não leva a grandes ideias (...) Animais podem ter vida social. Mas só os seres humanos têm a capacidade de compreender o mundo de maneira sofisticada. Se não temos nenhum interesse nisso, acho que perdemos algo equivalente à nossa humanidade."

Craig Damrauer

Contraditório? Óbvio?
Sei lá, veio no momento certo, isto eu sei!
Você que me lê, por favor, colabore:
Tenha uma ideia!







terça-feira, 9 de agosto de 2011

É melhor mudar!

                                               Sabe aquelas coisas necessárias da vida? 
                                                    A mudança é uma delas.

                                                                                          Eduard Munch "O Grito"

A princípio pode parecer assim, tudo se movimenta numa tremula vertigem em cima de uma ponte, travessia...

Nada pior do que a estagnação ou a falsa impressão de mudança, adornada por fantasias...ilusão.

Há sempre alguém para lembrar da alteração de uma condição, da modificação! Ou não!
Mudar pode ser apenas aparência, quase uma ilusão ótica como a obra de Vasarely, dando sensações...sugere mas não existe, entendeu?




Olhe, sempre olhe, observe e tente, tente mesmo captar a essência. Da obra? Ah! também, mas principalmente das pessoas...



Pode ser assim, deixe eu explicar como um "trompe l'oeil", que significa "enganar os olhos", parece que está lá, que você pode até tocar, é a arte da ilusão! Deve-se nesse caso levar em conta a maestria com a qual essa "ilusão" é feita, anos perseguindo a perfeição da ilusão, tem seu credito, sem dúvida, tanto na arte, como na vida...

                                                    Pablo Picasso "Três Músicos"

Penso eu, você só muda quando tem coragem, as formas da vida estão lá, não me refiro apenas ao exterior, insisto no interior. Tem que ter coragem, ousadia, superar o medo, e o clássico e secular, tema de romances: a opinião alheia, assim como essa sugestiva obra do século XIX.

                                                               Daumier " Crispin e Scapin"

Voltando ao que de fato importa, é ter em si a essência do inconformismo, a tentativa de superar algumas incoerências que as vezes são insuperáveis, a franqueza da consciência, cuidar das armadilhas da inconsciência, do orgulho, do cansaço e daquelas afirmativas que te tornam um objeto. Parece estranho, mas é maravilhoso!!!!

                                                          Monet "Nenúfares"

 As pontes para a mudança também podem ser assim, coloridas, floridas e perfumadas cheias de beleza, de primaveras após invernos...

Há sempre coisas imutavéis, que podem ser guardadas por séculos, milênios...principalmente as que são verdadeiras!

 Existe a eternidade...


quarta-feira, 29 de junho de 2011

Tupy or not tupy that is the question...e agora?


Eles chegaram assim, nas mais loucas condições lançaram-se ao oceano desconhecido...

Séculos mais tarde, Oswald ou Osvaldo escreve:


Manifesto Antropófago




Só a Antropofagia nos une. Socialmente. Economicamente. Filosoficamente.

Única lei do mundo. Expressão mascarada de todos os individualismos, de todos os coletivismos. De todas as religiões. De todos os tratados de paz.(...)
    
Só me interessa o que não é meu. Lei do homem. Lei do antropófago.(...)


Contra o Padre Vieira. Autor do nosso primeiro empréstimo, para ganhar comissão. O rei-analfabeto dissera-lhe : ponha isso no papel mas sem muita lábia. Fez-se o empréstimo. Gravou-se o açúcar brasileiro. Vieira deixou o dinheiro em Portugal e nos trouxe a lábia.(...) 

Contra o mundo reversível e as idéias objetivadas. Cadaverizadas. O stop do pensamento que é dinâmico. O indivíduo vitima do sistema. Fonte das injustiças clássicas. Das injustiças românticas. E o esquecimento das conquistas interiores.(...)

Contra a realidade social, vestida e opressora, cadastrada por Freud – a realidade sem complexos, sem loucura, sem prostituições e  penitenciárias do matriarcado de Pindorama
                                                                       Oswald de Andrade
           Em Piratininga, ano 374 da Deglutição do Bispo Sardinha
              (Revista de Antropofagia, Ano I. nº 1, maio de 1928)


Bom, desde que li o manifesto, certos trechos me acompanham para descrever e entender o mundo, ou o lugar em que vivo...
Somos canibais!!!!!
Mascaramos com a mais delicada civilidade as maiores brutalidades...
Os índios não precisavam disfarçar rsrsr



Este Manifesto faz um raio X (só coloquei pequenos trechos) da formação da sociedade brasileira. Em tempos do "políticamente correto", que para mim, muitas vezes pode ser utilizado como censura "bem vestida", sinto-me confortável ao ver tantas questões importantes atravessarem o tempo.
Conteúdo X Superficialidade





 
 Hans Staden, foi um alemão que permaneceu em terra brasilis por algum tempo, pode presenciar alguns rituais de canibalismo. Ao retornar a sua terra natal, narrou as aventuras vividas e a partir dessa narrativa foram feitas gravuras que até hoje podem causar certo desconforto aos mais sensíveis.
Todo mundo exclama!!! Que horror!!!! Comiam gente, mas sem entender o sentido cultural naquela época desse ato.
Pensem! Que rituais cumprimos hoje, mesmo que as ações ritualisticas não estejam tão claras!
É o disfarce da civilidade.


Rugendas "Índios"

Muitos artistas retrataram este país desde o início de nossa colonia de exploração, entre eles Frans Post, Albert Eckhout que vieram ao Brasil com Mauricio de Nassau em 1637, Rugendas e Debret, no século XIX. Veja só, esquecemos os índios, matamos os que ainda restam, ignoramos nossas origens! No século XVI a Língua Tupi era mais falada que o português, hoje restam alguns nomes de ruas, cidades e outras palavrinhas incorporaradas ao nosso vocabulário.

Comemos, deglutimos. As vezes devolvemos de uma forma elaborada, incorporando, agregando e reconstruindo. Outras vezes simplesmente esquecemos, sofremos dessa doença, o esquecimento...


Não somos muito abaré uns dos outros, e nem sempre podemos nos considerar como abaeté...
Vou dar trabalho para vocês: deduzir ou procurar um dicionário tupi.




Debret "Retrato de Índia"




Deixamos de lado nossa história, nossas origens e até hoje cometemos os mesnos atos, movidos pela ambição desmedida.

 

Albert Eckhout "Frutas Brasileiras"



Que todos possam ter a mesa farta, as dádivas da terra, a recompensa justa pelo esforço do trabalho, longe de todos os exploradores de nossas riquezas.


Frans Post "Paisagem de Pernambuco"


Que todos possam ter da terra a alegria de pertencer a ela, e saber que ela nos pertence ( a todos), que a fome , a violência, a injustiça, seja uma página virada e não apenas demagogia!

Que a Antropofagia nos separe....







quarta-feira, 18 de maio de 2011

Amanhã serei eu e você !!!!

Amanhã dia 19 de maio, farei aniversário....

Sei que é deselegante comentar sobre o próprio, além de agradecer os votos de felicidades!
Bem, resolvi me atrever a cometer esse ato!
Ops! Não vou me desculpar pela falta de etiqueta.


 Obra de Leonardo da Vinci

Vamos começar pela criação, sim eu sou uma criação. Minha existência era uma inexistência até que fui criada, um toque divino? Uma escolha biológica?  Algo que ainda nem imagino...
Sou única, então, cuidem bem de mim.



 Obra de Leonardo da Vinci


Então, fui tateando, como um cego tateia, no escuro fui descobrindo a vida. Tanta vida...
Tantas vidas!
Sou única sim, mas feita de vidas que vieram ao meu encontro e também as que eu fui buscar.
Não é exagero dizer que sou feita de muitas vidas, rapidamente, vocês passam pela minha lembrança.
Você está em mim.


Obra de Leonardo da Vinci


Quem, sou eu, se você está em mim? O equilibrio perfeito de Da Vinci, a projeção perfeita do ser humano?
Não. E deveria???


Obra de Paul Klee

Sim, eu sou assim mesmo.
Uma obra de arte.
Sem elas, não seria eu, elas são a minha existência, o meu lugar no mundo.
Vocês, elas e eu!

Eu depois da criação, aí vieram elas, mudaram minha vida, totalmente, por elas escolhi um caminho, um amor sem volta.
E eu, com meu âmago, fui sendo esculpida pela vida, e sempre, sempre existiram vocês, escultores de vidas!
Na minha matéria plástica, estenderam as mãos e tocaram a minha matéria, saliências, sombras, luzes, profundidades, perspectivas, formas...


                                                                   Obra de Kandinsky

               E agora não reclamem da abstração de meu ser, nem pensem em dizer: Não te entendo!
     Já é tarde demais para explicações, só importa a minha história, a do meu dia, do único dia que é meu entre os 365 dias do ano.
Você também tem o seu.
O que vale, são as histórias, dos amores, das dores, dos esquecimentos e lembranças, das lutas e derrotas, dos arrependimentos e certezas.
Sempre tem alguém, não importa de onde venha, e sempre é uma surpresa.
Feliz Aniversário, esta é a nossa festa, a celebração de minha vida e de todas as pessoas que passaram por ela, próximos ou não, de qualquer modo estão nesta festa!
Você está em mim.


Van Gogh

Minhas velinhas são as estrelas de Van Gogh, que não pretendo apagá-las!
Quero apenas que elas iluminem nossos caminhos,
parabéns para nós, partes de mim.
Eu me amo tanto...