terça-feira, 8 de fevereiro de 2011

Atos antigos e contemporâneos...


Quando ela começou, não imaginava o que poderia alcançar...

Sei Shonagon
 
(...) A vida diária da nobreza é vividamente descrita também no Makura no Soshi (O Livro do Travesseiro), uma brilhante coleção de ensaios num estilo que lembra os poemas em prosa, criado por outra talentosa e perspicaz dama da corte, Sei Shonagon (c.996-c. 1013). Mas suas vívidas observações são mais realistas, sensíveis e impressionantes, e demonstram mais humor. O Makura no Soshi é marcado por uma agudeza e sagacidade que dificilmente encontram rivais na literatura japonesa de períodos posteriores.(...)

Um pequeno trecho da obra:

37. COISAS QUE CAEM DO CÉU

Neve. Granizo.  Aprecio quando se misturam.
Maravilhosa neve sobre os cipestres.
A neve penetra o vão entre as telhas, deixando o telhado negro em
alguns lugares e puro branco em outros - muito atraente.
Garoa e granizo caindo sobre o telhado de madeira.
O gelo que se esgueira pelos beirais.
http://periodicos.ufsc.br/


 Algumas imagens do filme:




De onde surgem os sentimentos, e onde nos colocamos...

O "Livro de Cabeçeira" de Peter Greenaway, filme de 1996, indescritível, creio que nem todos irão apreciar, é impactante. Eu considero uma obra prima em todos os sentidos, salientando  sua plasticidade. Belo.
A personagem do filme, começa a escrever, de forma inusitada, tendo como suporte para sua escrita o corpo, o livrocorpo. É necessário entender o contexto, então, vejam o filme com a mente aberta...



Causou algum estranhamento? Um livrocorpo - "Livro do Silêncio" escrito sobre a língua??? Há o que pensar, certo?


Plasticidade da escrita para ser apreciada em sua forma...


 
Bem, para que ressuscitar uma poetisa que viveu há 1000 anos atrás no Japão? Juntar com o filme de Greenaway.

                                           


                                Ele me apresentou a ela. Poetisa e personagem...




Me apresentou uma nova forma de ver  o amor em relação a palavra escrita...
O meu amor já é antigo, e lembrei-me de repente...disso tudo... de todas as palavras que li e todos os livros que amei. Acho que isso é comum entre os apreciadores de palavras.



E soube que estou escrevendo, como milhões de outras pessoas no mundo, o meu "livro de cabeçeira", algo que poderia ser tão íntimo, está por ai, e outros "livros" também estão por aí.
Não vou entrar no mérito literário de todos os blogs nem do meu ...nada, não é a intenção, quero apenas lembrar que escrevemos as impressões sobre o mundo, sobre os "eus", cotidianos, aprendendo com outras vidas..sem nem conhecê-las.
Há algo de belo nisso.
Nosso livrocorpocomputador contemporâneo...que me traz tanto, que me leva a outros lugares,
aqui o conceito de tempo e lugar é outro...estamos descobrindo...
Sem perder o amor a palavra que neste momento une..
 Encerro com mais palavras de mil anos atrás..

COISAS QUE SÃO PRÓXIMAS APESAR DE DISTANTES

Paraíso.
Rota de um navio.
Relações entre um homem e uma mulher.
                                                               Sei Shonagon
                  


                                        
                                                                                                 

3 comentários:

  1. Há palavras que transcedem o tempo...
    Bjs.

    ResponderExcluir
  2. Eu já ouvi falar deste filme, mas nunca o assisti. O farei em breve, grata pela indicação.
    Seu blog é um pedacinho de coisa assim, meio inexplicável, um tipo de fumaça quente e efêmera, mas muito consistente. Ininteligível? Não pra você.
    Beijo de alma pra alma.
    Cris

    ResponderExcluir
  3. eu já vi esse filme... é para pensar... :P
    Bj.

    ResponderExcluir